Total de visualizações de página

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

8 palavras em inglês que só existem por causa da internet


* Escrito por Rosangela Souza, fundadora e sócia-diretora da Companhia de Idiomas e da ProfCerto
É interessante constatar o quanto nossa vida mudou com a popularização da internet e dos smartphones. E, como língua é parte da cultura de um povo, cada vez mais precisamos inventar palavras para designar coisas e ações que não existiam há bem pouco tempo. 

Veja a seguir 8 termos em inglês que nasceram com o advento da rede:
1. E-quaintance
Em inglês, usamos acquaintance para designar alguém que você conhece, mas que não é exatamente seu amigo. Se você só o conhece no ambiente virtual, ele é seu e-quaintance . Aliás, já é comum falarmos de e-meeting, e-introductions etc. 
2. Hacktivist
Você conhece os termos hacker e activist. O hacktivist é alguém que manipula informações na internet, muitas vezes ilegalmente, para promover, impedir ou direcionar mudanças sociais, políticas, econômicas ou ambientais. Um hacker com causa. 
3. Bashtag
Você já usou uma bashtag para reclamar? Se não usou, certamente já leu um desabafo de um amigo, citando uma empresa com uma hashtag. Ou usou em queixas do tipo: “Fui ao evento #chato #odeiofazerisso". A palavra vem da combinação entre "bash", criticar, e "hashtag", o símbolo usado no começo dessas expressões.
4. E-cruitment 
Enviar CV por e-mail está quase em desuso. A tendência é preencher seus dados e fazer testes em plataformas de recrutamento e seleção, facilitando boa parte do processo. Imagine o selecionador lendo centenas de e-mails para encontrar aquele profissional que tenha morado na Alemanha, por exemplo. Com uma busca simples, é possível localizar qualquer informação de um candidato. A palavra para descrever esse método de recrutamento online é e-cruitment.
5. Nonliners
Você conhece pessoas que nunca, ou muito raramente, usam a internet? Não por opção, mas porque não têm acesso, especialmente por não terem condições financeiras ou viverem em regiões não atendidas por programas de inclusão digital? Sim, elas existem. E são chamadas de nonliners.
6. E-stalkerO verbo “to stalk” significa perseguir alguém continuamente, sem ser notado. Hoje já ouvimos sua versão para o português, “estalquear”. E, em inglês, já surge o e-stalk, que é a forma mais comum de fazer isso hoje: buscando informações sobre a pessoa em questão na internet.  
7. Wiki
A palavra virou sinônimo de qualquer página da web que permita que vários usuários contribuam com conteúdo. A Wikipedia é a mais famosa, mas você já ouviu falar de Wikileaks também (to leak = vazar) . O Wikileaks é uma ONG internacional que publica informações secretas, vazadas por pessoas anônimas, que querem divulgar ações ilegais, em sua maioria.
8. Netiquette
Para viver bem, precisaremos de muita netiquette, isto é, a etiqueta na internet Como tudo é muito novo para a maioria, ainda estamos aprendendo a identificar regras de comportamento para o mundo virtual. As leis ajudam, e mais ainda a conscientização de que gentileza e afeto, mesmo quando discordamos, são bem-vindos em qualquer lugar do mundo, físico ou virtual. 
FONTE:www.blogger.com

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Sisu de meio de ano terá vagas em mais de 70 instituições

A edição de meio de ano do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), plataforma do Ministério da Educação que reúne vagas no ensino superior público, vai selecionar estudantes para 72 instituições públicas de ensino superior de 25 Estados do País. Somente Amazonas e Mato Grosso não têm vagas abertas pelo sistema. A consulta de vagas foi aberta ontem terça-feira, 2, pelo Ministério da Educação.
As inscrições para o processo seletivo serão abertas na próxima segunda-feira, 8, e vão até as 23h59 da quarta-feira, 10, no horário oficial de Brasília. O cadastro é gratuito e feito exclusivamente na página virtual do Sisu.
No Sisu do segundo semestre de 2015, o aluno só poderá concorrer com a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014. Outro pré-requisito é que o candidato não tenha zerado a prova de redação. Ao fazer a inscrição, é possível escolher até duas opções de curso, na ordem de preferência. Com informações do Estadão Conteúdo.
Fonte: Notícias ao Minuto via msn.com

terça-feira, 2 de junho de 2015

Sala do 6º ano matutino da U.E. Professor Ernildo de Oliveira Gomes
As provas da primeira fase da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep) 2015 estão sendo aplicadas hoje terça-feira (2). Na 11ª edição, a Obmep bateu recorde de inscrição, com 47.582 escolas inscritas, de 5.538 cidades, o que corresponde a 99.48% dos municípios do país. A estimativa é que 17,9 milhões de estudantes participem.
As provas têm 20 questões objetivas de múltipla escolha e são aplicadas pelas próprias escolas, para turmas do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental, e do 1º, 2º e 3º anos do Ensino Médio. Os estudantes são divididos em três níveis: 6º e 7º anos; 8º e 9º anos; e 1º, 2º e 3º anos do Ensino Médio.
Pelo menos 5% dos alunos com melhor pontuação são selecionados para a segunda fase, na qual as provas são feitas em centros regionais e compostas de seis questões dissertativas, onde devem ser expostos os cálculos e raciocínio utilizados. A segunda fase está marcada para o dia 12 de setembro.
O diretor-geral do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa), professor César Camacho, destacou o recorde de inscrições da Obmep. “Como é uma inscrição voluntária, isso mostra que essa atividade realmente está mantendo o seu vigor, apesar de ser uma atividade dirigida a uma disciplina que normalmente é considerada difícil, árida”. Acrescentou que o núme de inscrições deve-se ao fato de a olimpíada apresentar “a matemática de maneira mais interessante, mais desafiadora, mais cativante para um estudante que quer usar a cabeça, pensar e resolver problemas do cotidiano.”
Camacho conversou com a Agência Brasil sobre o concurso durante a cerimônia em homenagem ao físico Albert Einstein no Jardim Botânico, em abril. Na cerimônia, o matemático premiado Artur Ávila disse que as olimpíadas podem ser um atalho na descoberta de talentos para os números. Acrescentou que os participantes podem alcançar o alto nível científico sem precisar esperar que todo o ensino fundamental seja reestruturado.
“Pode demorar muito para avançar melhorando aos poucos a educação básica, então [a olimpíada] é um atalho. A gente vê pela pesquisa aqui no Brasil, que em matemática chegou a um nível internacional sem esperar que fosse crescendo lá do ensino fundamental, médio. É importante, vamos ter que passar por isso [melhoria do ensino], mas vamos fazendo nas direções que são mais promissoras em cada momento”, disse Artur Ávila.
A divulgação dos resultados da Obmep acontecerá no dia 27 de novembro. Serão premiados 6.500 alunos, dos quais 500 com medalhas de ouro, 1.500 de prata e 4.500 de bronze, além de cerca de 46.200 com menções honrosas. Também integram as premiações professores, escolas e secretarias de educação de municípios que se destacam em virtude do desempenho dos alunos. Com informações da Agência Brasil.

Google oferece bolsas de mestrado e doutorado no Brasil

fotos: notícias ao minuto
Uma das maiores empresas no ramo da tecnologia e internet, a Google, vai anunciou ontem (1º de junho) um programa de custeio de projetos acadêmicos em ciências da computação que dará US$ 750 mensais (cerca de R$ 2.350) para mestrandos e US$ 1.200 (R$ 3.750) para doutorandos dos 20 processos selecionados durante três anos; informa o jornal Folha de São Paulo.
De acordo com Berthier Ribeiro-Neto, coordenador do centro de pesquisa do Google em Belo Horizonte e um dos idealizadores da iniciativa, o interesse da empresa em dar o incentivo é buscar soluções para problemas reais da internet hoje e descobrir possíveis funcionários para a empresa.
"Não há qualquer condicionante que ligue os projetos escolhidos ao Google", afirma. "A Fapesp também faz esse papel [de fomento acadêmico], a Capes, o CNPq. Isso não impede que o Google ofereça um estímulo adicional."
"Demos um salto no volume de produção acadêmica nos últimos 50 anos, mas precisamos agora de um salto qualitativo."
O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação participará do evento de anúncio, que será feito na capital mineira, com a presença do ministro Aldo Rebelo.
Os professores-orientadores responsáveis também recebem, mas um valor um pouco menor (US$ 675 e US$ 750, cerca de R$ 2.350 e R$ 2.100, respectivamente, para mestrado e para doutorado).
Para Ribeiro-Neto, projetos que terão mais chance de ser aprovados devem ter abordagem diferente para enfrentar questões existentes ligadas à internet. "A web está passando por uma mudança revolucionária, como na parcela de usuários que só conhece o celular, nunca usou um computador. Seu comportamento é diferente, e buscamos entendê-lo."
Áreas como internet das coisas, tecnologia de cidades inteligentes e convergência nas plataformas de entretenimento (como plataformas de smart TV) foram menos estudadas, e portanto projetos relacionados a elas podem ter mais chance de seleção, diz o professor.
Serão exclusivamente aceitas pesquisas de instituições latino-americanas. A ideia é que o professor-orientador encaminhe a proposta ao Google.
A empresa tem um oferecimento semelhante nos EUA por meio de sua divisão Google for Education.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Na Amazônia, apenas Maranhão e Mato Grosso sancionaram planos de educação

Rondônia tem o projeto aprovado, mas ainda não sancionado. Pela lei, prazo encerra dia 24 de junho
BRASÍLIA - Falta pouco menos de um mês para o fim do prazo a fim de que os estados e municípios tenham os próprios planos de educação sancionados. Para entidades que representam os entes federados, o prazo não será cumprido por todos. Entre os estados, três sancionaram os planos:MaranhãoMato Grosso e Mato Grosso do Sul. Quanto aos municípios, dos quase 5,6 mil, só 151 têm planos sancionados. As informações são do site Planejando a Próxima Década do Ministério da Educação (MEC).
Os planos estaduais e municipais de educação estão previstos no Plano Nacional de Educação (PNE), sancionado no ano passado pela presidenta Dilma Rousseff. Ele traça metas para serem cumpridas nos próximos dez anos. As metas vão desde a inclusão de crianças e adolescentes na escola até a pós-graduação. Trata ainda da valorização do professor e dos investimentos em educação, que até 2024 deverão ser de, no mínimo, o equivalente a 10% do Produto Interno Bruto (PIB). Atualmente o investimento na área é 6,6%.
Pela lei, os planos locais têm até o dia 24 de junho para serem sancionados. O prazo é o primeiro estipulado no PNE. Os planos municipais e estaduais devem, de acordo com a realidade local, estabelecer estratégias para o cumprimento de cada uma das metas do PNE. Eles têm liberdade, inclusive, para avançar nas metas caso elas estejam superadas.
A situação mais crítica é entre os municípios. "Não vamos cumprir em todos os municípios", disse a presidenta da União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Cleuza Repulho. "Mas quero deixar claro que é muito importante que esses planos reflitam a realidade. Muito mais que prazo, é a importância que os planos têm na execução, que sejam feitos com a discussão ampla, com a participação de todo mundo, para refletir a realidade".
Segundo ela, mesmo após o fim do prazo, a Undime continuará trabalhando com os municípios para que todos tenham os planos aprovados.
Para constituir os planos, o MEC estipula fases. A primeira é a constituição de uma comissão coordenadora, depois, produzir um diagnóstico da educação na localidade, a elaboração de um documento-base, consulta pública e elaboração de projeto de lei. O projeto é então enviado ao Legislativo, aprovado e sancionado.
Entre os municípios, um não tem sequer comissão coordenadora instituída;  só 531 instituíram a comissão e 1.049 concluíram apenas o diagnóstico. Os demais avançaram na elaboração do documento-base (1.560), fizeram consulta pública (1.185), têm o projeto de lei elaborado (505), enviaram o projeto ao Legislativo (534) e apenas 54 aprovaram a lei e 151 a sancionaram.
Entre os estados, a expectativa é que até o fim do ano todos os planos estejam em vigor, segundo o presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Eduardo Deschamps. "Temos um número significativo de estados que estão concluindo seus planos para remeter às assembleias legislativas. Eu acho que o número de estados que terão os planos aprovados até o dia 24 de junho vai ser reduzido, mas entre os que estarão com os planos nas assembleias legislativas, teremos um número significativo. Todos os estados estão trabalhando fortemente para isso", informou.
Todos os estados têm pelo menos o documento-base elaborado. Dois, o Rio Grande do Sul e Paraná, além do Distrito Federal avançaram até o envio dos projetos ao Legislativo. Rondônia tem o projeto aprovado, mas ainda não sancionado.
Como o prazo está em lei, de acordo com o MEC, ele não será adiado, a não ser que se altere a lei. Em entrevista, o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, ressaltou que o MEC "não quer que os estados e as prefeituras se sintam coagidos com o prazo e acabem comprando um plano pronto de educação, que não vai emanar de uma discussão da sociedade. O mais importante é a sociedade se mobilizar e discutir o que quer para a educação”.
FONTE:Portal da mazônia

UM NOVO DILÚVIO VEM AÍ?

Prof. Jânio Matos
Não posso ser considerado um homem religioso, mas conheço algumas coisas na coletânea de livros religiosos inscritos pelo homem inspirado por Deus que em Língua portuguesa que é chamada por Bíblia. Na Bíblia, em Gênesis, é mostrado o arrependimento de Jeová em ter criado o homem, devido à maldade que este espalhara na terra. Neste arrependimento, decide fazer um enorme dilúvio, fazendo desaparecer tudo que havia sido criado até então. Porém, decide poupar Noé, por este ter agido bem, e lhe ordena fazer uma arca de madeira, e abrigar, junto com sua família, um casal de cada espécie existente dos animais impuros, e sete casais dos animais considerados puros e assim foi feito, mas parece que humanidade não aprendeu.
O homem simplesmente perdeu a noção de tudo, a ganancia pelo poder faz com que ele esqueça da salvação e procure se dá bem a qualquer custo. O que faz um ser humano que já passa dos seus setenta anos querer cada vez mais dinheiro e poder? O que faz um político desviar milhões e milhões da saúde, educação, Petrobras etc...? O que faz um jovem tirar a vida de outro por causa de alguns trocados? São esses e outros questionamentos que me fazem pensar, só mesmo um novo dilúvio para varrer dessa Terra tanta maldade e insensatez.
Posso até está exagerando mas o mundo e principalmente nosso país está perdido principalmente por dois males: corrupção e drogas, esse último que já é resultado do primeiro, pois a falta de políticas públicas que garantam nosso jovem na escola, dando a ele uma perspectiva de vida uma melhor, faz dele cair nesse mundo cruel e avassalador chamado “O mundo das drogas” fazendo desse jovem um assaltante e muitas vezes assassino gerando na nossa sociedade uma sensação de insegurança, hoje não estamos mais seguros nem na nossa própria casa. O mundo virou de pernas para o ar, pior a cada dia que passa e os que poderiam fazer alguma coisa comemoram esse caos a regado ao ego da impunidade, pois eles sabem que aqui na Terra não haverá punição e com certeza não acreditam em vida após a morte.

Portanto pergunto aos caros leitores, estamos próximos de um novo dilúvio?
Por Jânio Matos de Oliveira

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.