Total de visualizações de página

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Homenagem aos Vascaínos - VICE DE NOVO!

domingo, 26 de fevereiro de 2012

BLOG DO TEACHER ALERTA

A falta de acostamento na maioria das Ma’s do Estado está colocando cada vez mais em risco a vida de pedestres e motoristas que, diariamente, trafegam pelas rodovias. O traçado estreito das vias não permite que pessoas circulem com segurança, enquanto os veículos passam com tranquilidade. Por isso, os condutores e, principalmente, os pedestres acabam arriscando a vida quando transitam por esses locais. E o que deveria ser uma caminhada tranquila acaba se tornando motivo de preocupação e exigindo atenção redobrada de todos. Em determinados trechos, a ausência de refúgios que possibilitem a circulação de pessoas com segurança potencializa o risco de acidentes de trânsito eminente. E se isso não bastasse ainda tem os animais que circulam livremente na pista possibilitando ainda mais o risco de acidentes. Em passeio pela Ma.381 que liga Pedreiras à Joselândia observa-se um grande número desses animais. A presença de jumentos sempre foi o mais observado e agora também de gados e bodes dividem a pista com os motoristas. É preciso que se responsabilizem os responsáveis e as autoridades não podem esperar que acidentes aconteçam para tomar providências.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

I IGREJA BATISTA REALIZA RETIRO ESPIRITUAL DURANTE O PERIODO CARNAVALESCO

I Igreja Batista realiza por todo período carnavalesco um verdadeiro carnaval de alegria e louvor de adoração a Deus no Acampamento Batista próximo a Pedreiras.
Pessoas acampadas em barracas, davam um brilho todo especial àquele lugar de paz
Layanna Carla, a felicidade no rosto e a certeza que alí a felicidade reina.
****************************Jovens se divertem à beira da piscina **********************
Nao falta nada, torneio de futebol femenino entre as equipes Pernas depiladas, rasga-tanga, afasta demônio e Empurra ela
########################### O jogo tava pegado ##################
/
&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&& Retirolama &&&&&&&&&&&&&&
Carminha no catina-bar, coca-cola não vai faltar.
************************Tem gente que prefere a tranquilidade. ***********************
já outros preferem uma partidinha de vôlei, tem de tudo lá. Isso é só o primeiro dia. Nos dias seguintes ocorreram bastantes atividades que levaram todos que alí estavam a diversão com muita alegria, sem esquecer a presença de Deus através das palestras com os pastores. tudo foi finalizado no final da tarde de terça-feira de modo muito positivo, fato que era visivelmente percebido nos rostos de quem deixava aquela local. Que bom seria se todas as pessoas tivessem esse espírito,a diversão aliada a um prazer diferente de viver exibir imagem como esta ...
... como simbolo da diversão, não tá com nada,Sei que precisamos nos divertir, mas da maneira que é o carnaval não dá.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

IZALCI DEFENDE REAJUSTE PARA PISO DE PROFESSORES E CRITICA AMEÇA DE CORT...

Prêmio destaca dez projetos inovadores em educação

Encontrar boas práticas em sala de aula, que inspirem os alunos e também sirvam de referência para outros professores pode parecer uma missão um tanto quanto complicada num sistema educacional historicamente defasado, como o brasileiro. A Fundação Victor Civita, no entanto, vem revelando, há 15 anos, que esse não é um desafio impossível. O Prêmio Educador Nota 10, promovido pela entidade, destaca anualmente os dez melhores projetos pedagógicos do País, desenvolvidos em turmas da pré-escola ao fim do ensino fundamental. A ideia é premiar docentes que tenham demonstrado práticas inovadoras ao lidar com os temas abordados em classe. Para avaliar o projeto, uma equipe de especialistas leva em conta o diagnóstico prévio da turma, detalhando o que as crianças já sabiam antes da introdução do assunto de determinada disciplina. O registro do desenvolvimento dos alunos no decorrer do processo e a avaliação do aprendizado também contam. A edição 2011 teve cerca de 3 mil projetos inscritos, que foram analisados durante dois meses e meio. Entre os prêmios, estão R$ 15 mil para cada educador. 'Existem muitos bons professores e não se vê o trabalho deles. Temos de mostrar isso para que a categoria também se sinta contemplada', afirma Angela Dannemann, diretora executiva da Fundação Victor Civita. Para a grande vencedora de 2011 que, além do dinheiro, ganhou uma pós-graduação , Fernanda de Paula, professora de educação física, a motivação reside simplesmente em gostar do que faz. 'O que me deixa feliz é ver os meus resultados em cada uma das crianças', conta ela, que levou atividades de circo para as aulas de uma turma que têm alunos com deficiência. O gosto por compartilhar conteúdos é outro segredo dos premiados. 'O conhecimento não fica em você ele tem de ser compartilhado', afirma o professor de música Roberto Schkolnick, um dos vencedores do prêmio. O professor de matemática Edson Thó Rodrigues, de João Pessoa (PB), concorda: 'Passar conhecimento é mostrar caminhos. De certa forma, a gente está salvando vidas.' Veja abaixo um resumo dos dez projetos premiados: Inclusão com circo A professora Fernanda de Paula, de Belo Horizonte (MG), levou as atividades circenses para a aula. Ela trabalhou o aspecto cultural e desafiou os alunos a conhecerem seus limites corporais com atividades que envolveram toda a turma e foram adaptadas para as crianças com deficiência. O centenário de Adoniran Barbosa O professor de música Roberto Schkolnick levou às crianças da educação infantil de uma escola particular de São Paulo o universo do pai do samba paulista. Assim, por meio de registros dos sons das músicas, ele ampliou o repertório dos seus alunos. Investigando simetrias Com espelhos e caleidoscópios, o professor de matemática Edson Thó Rodrigues, de João Pessoa (PB), ensinou a duas turmas do 9º ano as noções de simetria. Antes, ele realizou um pré-teste com os alunos, para identificar o conhecimento prévio deles sobre o tema. O cotidiano da sociedade mineradora Os alunos do 3º ano de uma escola municipal de Catas Altas (MG) aprenderam, com Elaine de Paula, a história local e do Brasil do século 18 por meio do estudo de objetos antigos. Eles entrevistaram familiares e levaram alguns utensílios para a sala de aula. Documentando a cidade Para estudar a função comercial de Teresina (PI) no passado e no presente, o professor de geografia Luís Carlos Rodrigues desenvolveu um documentário em vídeo com o 9º ano de uma escola municipal da cidade. Antes, os estudantes pesquisaram o tema em diversas fontes, como textos, imagens e questionários. Quem foi Carlos Chagas? Com o objetivo de desmistificar a imagem do cientista e apresentar o trabalho de Carlos Chagas, a professora Flávia Lima orientou uma turma de 5º ano a refazer a pesquisa do brasileiro que descobriu o mal de Chagas. Assim, os alunos da escola federal de Goiânia (GO) onde ela leciona tiveram noções de raciocínio científico. Novos contos de fadas Em Itapoá (SC), Cátia Nicolachik fez com que seus alunos do 1º ano do ensino fundamental reescrevessem a história de Chapeuzinho Vermelho, com o objetivo de trabalhar novos gêneros e desenvolver a escrita e a leitura da turma. Ela levou à sala de aula um repertório que contava com os irmãos Grimm, Charles Perrault e Guimarães Rosa. Textos informativos A elaboração de um folheto sobre animais em extinção para ser distribuído na Secretaria Municipal do Meio Ambiente foi o mote do projeto de Adriana Oliveira, de Ibitiara (BA). Em uma sala multisseriada, com alunos entre 5 e 10 anos, ela tinha como objetivo alfabetizar os menores e desenvolver ainda mais as habilidades de leitura e escrita dos demais. Cálculos memorizados O 2º ano de uma escola municipal de Ariquemes (RO) ampliou, com a professora de matemática Lucimar de Lima, o repertório de cálculos que conhecia de memória. Ela ajudou a turma a sistematizar o repertório de operações e, em pouco tempo, as crianças estavam utilizando procedimentos de cálculo mental para resolver contas mais complexas. Medindo a superfície Para dar aos seus alunos de uma escola municipal de Joinville (SC) a noção de área, Célia Maria Batista mostrou, na prática, o que é um metro quadrado. A turma de 6º ano conseguiu aprender os conceitos por meio de atividades simples, como a construção de um quadrado de 1 metro de lado com jornais e revistas. FONTE: msn.com

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Mercadante quer dar bônus para escola que alfabetizar aluno de até 8 anos

BRASÍLIA - Há menos de duas semanas no cargo de ministro da Educação, Aloizio Mercadante chegou à conclusão de que a escola não está 'interessante'. Isso explicaria parte do fato de 3,8 milhões de crianças e jovens entre 4 e 17 anos estarem fora da escola, segundo dados divulgados no início da semana pela ONG Todos pela Educação. Em entrevista ao Estado, o ministro anunciou que discute o pagamento de bônus para as escolas que alfabetizarem todos os alunos até 8 anos. Essa seria sua prioridade na pasta. Para evitar que a primeira prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) sob seu comando não se transforme em nova crise, Mercadante disse que trabalha para aumentar o banco de questões da prova, atualmente com cerca de 6 mil questões - um décimo do mantido nos EUA. Para ele, ainda há risco logístico na prova. A seguir, a entrevista: O sr. assumiu o cargo anunciando a distribuição de tablets para professores do ensino médio. Mas como pretende cumprir o compromisso assumido pela presidente Dilma Rousseff na campanha de erradicar o analfabetismo? Quase 10% dos jovens e adultos não sabem ler nem escrever um bilhete simples. A leitura, a redação e as primeiras contas são um direito civilizatório. É um objetivo que estamos perseguindo já há algum tempo e tardiamente, porque o País está muito atrasado no processo educacional. Nossa prioridade vai ser alfabetizar na idade certa, ou seja, reverter essa tendência do analfabetismo funcional. É muito mais inteligente resolver na idade certa que fazer programa de recuperação depois. E muitas dessas crianças, que vão seguindo sem ler ou escrever, vão abandonar a escola. Estamos concluindo um programa amplo, focando dos 6 aos 8 anos. Precisamos de um programa que motive as prefeituras para colocar os melhores professores nas salas de aulas, que haja bônus nesse processo para o desempenho da escola e um processo de monitoramento, com avaliação pedagógica. Como vai ser o bônus? Bônus para as escolas que atinjam os resultados. É um tema que estamos amadurecendo. Se a escola consegue todas as crianças alfabetizadas na idade certa, temos de valorizar essa conquista. Tem de ser um grande esforço nacional. E o que fazer com o estoque de analfabetos jovens e adultos que diminui lentamente, quase imune aos gastos do Programa Brasil Alfabetizado? Também é muito importante que a criança frequente a pré-escola. E estamos com um problema. O governo antecipa o pagamento para as prefeituras, mas as creches estão demorando de dois anos a dois anos e meio para ficarem prontas. E o tempo das crianças é agora. Estamos acelerando uma pesquisa sobre novos meios construtivos, estrutura pré-moldadas, abrir opção para os prefeitos, com custo competitivo, fazer algum tipo de pregão eletrônico de serviços de engenharia. Se a gente resolver a entrada, com um programa pedagógico forte, não carregaremos essa herança que carregamos hoje. Resta o jovem adulto analfabeto nas grandes metrópoles. Vai dar para tirar do papel a meta de erradicar o analfabetismo? Temos de ser realistas: eleger prioridades e saber o que é uma herança muito antiga. É muito mais fácil construir um programa de alfabetização em parceria com indústria que no interior. A presidente tem uma forma de ver a questão das metas que eu compartilho. Ela diz que sempre precisamos estabelecer metas como quem lida com arco e flecha: mira um pouco mais acima para acertar o alvo. A meta assumida pelo governo em Dacar é chegarmos a 2015 com 6,7% de jovens e adultos analfabetos - temos 9,6%. O Plano Nacional de Educação prevê a prova nacional de docentes. Isso vai esperar a votação do projeto no Congresso? Vamos fazer neste ano, acho que a ideia está bem amadurecida. Pretendemos que essa prova ajude a motivar professores para trabalhar em municípios de baixo desempenho na educação e em áreas de risco. Seria uma oportunidade para atrair bons professores para essas áreas. É isso que vai mudar a qualidade da educação. O sr. mudou o eixo do programa de inclusão digital nas escolas ao anunciar a distribuição de tablets para professores do ensino médio. O programa de distribuição de laptops a alunos foi abandonado, como sugere o estudo encomendado pela Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE)? O Brasil é o terceiro país onde mais se vende computadores. Para a parcela da população mais pobre, a única opção de acesso verdadeiro é a escola. Não queremos um apartheid digital, como tivemos um apartheid educacional no passado. Tanto há uma demanda por inclusão digital que as lan houses da periferias estão entupidas de jovens, que entram nas redes sociais sem usar todo o potencial dos computadores. É indispensável que a escola se modernize. O arranjo social da escola e o quadro negro são do século 18, os professores, do século 20 e os alunos, do século 21. Nós, que somos do século 20, somos imigrantes digitais, viemos de uma cultura analógica. A reflexão internacional demonstra que o computador na escola deve começar pelo professor. O ensino médio é o maior nó em termos de evasão escolar. Não dá para o Brasil se acomodar com uma manchete que diz que 3,8 milhões de crianças e jovens de 4 a 17 anos estão fora da escola. E estão fora da pré-escola e do ensino médio. De um lado, porque não alfabetizou plenamente. O aluno perde a motivação e a capacidade de acompanhar, porque a escola não está interessante e porque o mundo do trabalho está aquecido. E como podemos reagir de forma rápida? Dando tablet para o professor e conteúdo para ele preparar as aulas. Uma questão mais urgente: como o sr. pretende blindar a próxima edição do Enem de mais uma crise? O Brasil precisa ter convicção de que nenhum país desenvolvido deixa de usar instrumento semelhante ao Enem. Os Estados Unidos têm há 85 anos um exame nacional. A China tem um exame que o aluno pode fazer uma única vez na vida. Alemanha, Itália, França e Grã-Bretanha têm prova uma vez por ano. O Enem é critério de meritocracia num Estado republicano, especialmente entre os mais pobres. Houve aprimoramento ao longo desses anos, como a superação de grandes desafios logísticos de uma prova para 5,4 milhões de alunos. O Brasil não tem culpa de ser tão grande. E há riscos na logística. Mas como evitar mais uma edição problemática? Precisamos de um banco com um volume grande de questões. Nos EUA, há mais de 100 mil questões. Eles podem fazer sete vezes por ano, porque seleciona na hora as questões. Quando tivermos banco amplo, o risco acabará. É tanta questão a que você teria de ter acesso que o único caminho é estudar. A segunda questão são as redações. Precisamos aprimorar o critério de correção, para que tenhamos mais segurança na avaliação, pois sempre há componente subjetivo. Essas são as duas frentes mais importantes em que estamos trabalhando. FONTE: msn.com

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Seria incompetência?

A
Prefeitura Municipal de Pedreiras vem se caracterizando pela morosidade com que trata suas questões administrativas, isso ficou evidente na sua primeira obra com a reconstrução da Praça do Cinquentenário, mas conhecida como Praça da Sucan, a qual sua reconstrução durou mais ou menos a metade do primeiro mandato da atual administração. As desculpas dadas para população era que a prefeitura encontrava-se sucateada e que se precisava de tempo para colocar as coisas em ordem, desculpas aceitas a população deu a essa administração mais quatro anos de administração. Engano do povo a morosidade continua, construção do mercado central, as inúmeras promessas não cumpridas como o do Largo João do Vale, balneário da Caema são evidências disso. A municipalização do Ensino Fundamental para mim é uma questões mais graves, estamos no segundo ano dessa municipalização e o que se ver são mais evidencias da morosidade com que o município trata suas questões, a falta de estrutura da maioria das escolas que não tem o mínimo para um funcionamento, faltam boas bibliotecas, salas de vídeo, auditórios para reunião e eventos nas escolas, espaço para o lazer e prática esportivo, resumindo falta tudo. Pedreiras pela sua importância dentro do cenário estadual merece coisa melhor, principalmente melhor saúde e educação, não vejo na administração, uma administração corrupta e sim a ineficiência de muitos, coisas simples como atrasos no pagamento porque falta assinatura da folha de pagamento já ouvi acontecer e agora por ultimo estamos mais uma vez sofrendo por atrasos de pagamento, os funcionário foram surpreendidos na manhã do sábado com uma aviso que comunicava que não haveria paramento por falha técnica e que o pagamento seria apenas na segunda-feira a partir das 14h, tudo bem, só que na segunda já havia outro comunicado seria prorrogado para hoje dia 14 a partir do meio dia e em conversa com a gerência da caixa, eles informaram que o município estava trabalhando nisso mas não sabia se havia tempo hábil para o pagamento até o meio dia. E aí eu pergunto até quando meu Deus!?

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Médica explica sobre a 'doença do beijo', muito comum no carnaval

Mononucleose começa com dor de garganta, febre e gânglios inchados. Quem pretende beijar bastante durante a folia precisa ter cuidado. O carnaval está chegando e a galera aproveita para paquerar e beijar na boca. Para os solteiros, a ocasião pode ser a oportunidade de encontrar o grande amor. O problema é que um simples beijo pode transmitir uma doença pouco conhecida, mas muito frequente chamada de mononucleose. “Se transmite pela saliva em contato íntimo e o beijo é aliado da doença nesse sentido. Em alguns ambientes como aglomerados urbanos, a gente pode ter a transmissão por saliva através de um contato mais próximo”, afirmou a médica Verônica Cisneiros. O vírus é da mesma família do herpes. A doença começa com dor de garganta, febre e gânglios inchados. “Depois do contato com o portador, ela vai aparecer após um mês e meio. Por isso, é difícil relacionar uma coisa a outra. Depois aparecem sintomas clássicos como dor no corpo, cansaço, que são comuns a várias doenças como gripes e doenças infecciosas”, acrescentou Cisneiros. Em algumas pessoas, a enfermidade pode atacar o sistema nervoso ou comprometer o baço. Não existe um tratamento específico para a mononucleose. “A gente vai acompanhar a pessoa, usando remédio de febre, para dor, antiflamatório para ajudar a diminuir as amídalas, porque, às vezes, elas crescem muito. Se houver complicações, o médico vai estar acompanhando”, disse a especialista. A médica alerta, ainda, que mesmo depois que os sintomas desaparecem, o vírus pode ser transmitido por até um ano e meio. “Se a pessoa tem a doença, tem esses sintomas clássicos, faringite, muitas ficam de cama porque se sentem cansadas. Mesmo depois de ficar boa, a pessoa ainda pode passar a doença. Ela confere uma imunidade duradoura, não vai ter várias vezes”, concluiu Verônica Cisneiros. A fonte é da globo.com

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Marketing ou fiasco?

À medida que a tecnologia cresce os projetos de marketing tomam dimensões ainda maiores. Pesquisar e se informar passa a ser a cartilha de todos os dias. Identificar os problemas mais comuns entre as empresas e busca soluções para estas questões faz dos profissionais de marketing passarem de meros auxiliadores para indispensáveis ferramentas para subsistência de qualquer empresa. Essa reciclagem diária que é essencial para toda empresa do século 21, seja ela vendedora de produtos ou serviços. Algumas empresas investem pesado em criatividade, levando ao seu consumidor um mundo encantado de possibilidades, impregnado em campanhas sedutoras e agradáveis. Conquistar espaço nesse mercado tão competitivo se tornou meta mais que essencial, e por isso daqui pra frente, não se surpreenda se você ver um empresário líder no mercado bater em sua porta pedindo para apresentar seu mais novo produto. http://www.ilista.com.br Dentro da perspectiva acima se faz necessário a credibilidade da pessoa ou empresa de marketing que é contratada para divulgar seu produto ou empresa, contratar alguém sem essas qualidades eu considero um fiasco. Que retorno se dar em marketing onde meia dúzia de pessoas viram. Algumas pessoas e empresas caíram em um marketing desses. Aí eu pergunto, o que ganharam com isso? Fica a pergunta a quem possa responder. Portanto, o investimento não surtiu nenhum efeito, os consumidores não foram atraídos, o seu salão não ficou mais cheio e nem você ficou mais famoso. Um verdadeiro fiasco no final das contas.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Matrículas para o Prouni termina hoje 01/02/012

Matrículas do Prouni podem ser feitas até esta quarta-feira Selecionados devem apresentar documentação nas instituições de ensino. Segunda chamada será divulgada em 7 de fevereiro. VEJA OS APROVADOS NO PROUNI (link para o site do Prouni) Veja os documentos exigidos para a matrícula na instituição de ensino superior Os estudantes aprovados na primeira chamada do Programa Universidade para Todos (Prouni) têm até esta quarta-feira (1º) para entregar os documentos exigidos pelas instituições de ensino superior e confirmar a matrícula. De acordo com o cronograma divulgado pelo Ministério da Educação, a segunda chamada do programa será divulgada no dia 7 de fevereiro, com prazo para matrícula e comprovação de informações até o dia 15. O sistema de consulta dos candidatos pré-selecionados no Prouni foi ao ar no dia 20 de janeiro. A divulgação do resultado estava prevista para o dia 22, mas o MEC antecipou os resultados assim como fez com os resultados do Enem e do Sistema Nacional de Seleção Unificada (Sisu). Para saber se obteve uma das 195.030 bolsas de estudos em instituições particulares de ensino superior, o estudante deve inserir o número de inscrição no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) e o CPF e digitar os caracteres que aparecem na tela. Acesse o sistema do Prouni. Lista de espera Ao fim das duas chamadas, os candidatos não pré-selecionados, ou aqueles que foram pré-selecionados em cursos sem formação de turma, podem manifestar interesse em fazer parte da lista de espera, que será usada pelas instituições participantes do programa para a ocupação das bolsas eventualmente ainda não ocupadas. O período para manifestação de interesse na lista irá de 22 a 24 de fevereiro. Ao fim desse prazo, serão feitas duas convocações dos integrantes. A primeira, em 27 de fevereiro, com prazo para comprovação de documentos e matrícula de 28 do mesmo mês até 2 de março. A segunda, em 9 de março, com prazo de 12 a 15 de março. Recorde de inscritos O Prouni tem um total de 1.208.398 candidatos participantes. O número de inscritos é recorde na história do programa, criado pelo governo federal em 2004. No ano passado foram inscritos 1.048.631 candidatos. Cada estudante teve o direito de fazer duas opções de cursos. Dessa forma, o número de inscrições chegou a 2.323.546. Os estados com maior número de inscrições foram São Paulo, com 211.431; Minas Gerais, 151.437; Bahia, 92.983; Rio Grande do Sul, 82.046, e Rio de Janeiro, 73.534. A oferta para este primeiro semestre é de 195.030 bolsas. sendo 98.728 integrais e 96.302 parciais, de 50% da mensalidade, em 1.321 instituições de ensino superior particulares, entre universidades, centros universitários e faculdades. A oferta de bolsas de estudos em instituições privadas de ensino superior já foi divulgada no site do programa. O Ministério da Educação disponibiliza na página do Prouni o sistema de pesquisa por curso e por município das ofertas de bolsas de estudo de instituições privadas de ensino superior (universidades e centros universitários) participantes do programa. Critérios Podem se candidatar às bolsas integrais estudantes com renda familiar, por pessoa, de até um salário mínimo e meio (R$ 933, a partir de 1º de janeiro). As bolsas parciais são destinadas a candidatos com renda familiar de até três salários mínimos (R$ 1.866, em janeiro) por pessoa. Além de ter feito o Enem 2011, com um mínimo de 400 pontos na média das cinco notas do exame e pelo menos nota mínima na redação, o candidato deve ter cursado todo o ensino médio em escola pública ou, em caso de escola particular, na condição de bolsista integral. Professores da rede pública de ensino básico que concorrem a bolsas em cursos de licenciatura, curso normal superior ou de pedagogia não precisam cumprir o critério de renda, desde que estejam em efetivo exercício e integrem o quadro permanente da escola na qual atuam. Criado em 2004, o Prouni já concedeu 919 mil bolsas de estudos em cursos de graduação e sequenciais de formação específica. FONTE: globo.com

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.